ANBIMA - Debêntures Mantido por: ANBIMA
Ajuda | Fale Conosco | Mapa do Site
Buscar
· Registros na CVM · Emissões Instrução CVM nº 476 · AGDs e Comunicados · Notícias · Sites Úteis
Fitch Atribui 'AA(bra)' à 8ª Emissão de Debêntures da Ecorodovias; Perspectiva Negativa 23/05/2019


A Fitch Ratings atribuiu, hoje, o Rating Nacional de Longo Prazo 'AA(bra)', com Perspectiva Negativa, à proposta de oitava emissão de debêntures da Ecorodovias Concessões e Serviços S.A. (ECS), no montante de BRL900 milhões. A transação é dividida em duas séries, conforme a seguir:

-- 1ª série, no montante de BRL833,675 milhões, com vencimento em abril de 2024;
-- 3ª série, no montante de BRL66,325 milhões, com vencimento em abril de 2026.

Ao mesmo tempo a Fitch retirou o rating 'AA(exp)(bra)', Perspectiva Negativa, da segunda série da oitava emissão e afirmou o rating da 7ª emissão de debêntures em 'AA(bra)', com Perspectiva Negativa.

O montante de BRL900 milhões da oitava emissão de debêntures está em linha com o esperado pela Fitch quando atribuiu o rating à proposta de emissão. Os cenários base e de rating da agência consideravam que o montante da emissão seria distribuído entre as três séries. Contudo, a ECS distribuiu a emissão apenas na primeira e terceira séries, concentrando aproximadamente 93% da emissão na primeira série, que apresenta prazo de cinco anos. Além disso, o custo de cada série foi maior do que o esperado pela Fitch, e a primeira série foi remunerada pelo Certificado de Depósito Interbancário (CDI) + 1,30% ao invés de 110,25% do CDI, e o custo final da terceira é pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) + 5,5031%, 3,10 bps acima do esperado. Apesar das mudanças, as métricas de alavancagem não foram impactadas, o que justifica o rating final 'AA(bra)'.

PRINCIPAIS FUNDAMENTOS DOS RATINGS

O rating da oitava emissão de debêntures da ECS reflete o diversificado portfólio de concessões rodoviárias, composto por rodovias maduras e em expansão estrategicamente localizadas nos principais corredores das regiões Sul e Sudeste do Brasil. Também reflete a moderada volatilidade no tráfego e o marco regulatório robusto, que permite reajustes tarifários anuais. As concessões de rodovias em fase de expansão possuem investimentos elevados a curto e médio prazos, os quais serão financiados por meio de emissão de dívida. A Fitch considera a estrutura da dívida consolidada da ECS e de suas subsidiárias fraca, devido à exposição a taxas de juros variáveis e à ausência de proteções estruturais adequadas. A ECS apresenta risco de refinanciamento adequadamente mitigado pelo sólido acesso ao mercado e pela gestão ativa da dívida.

A alavancagem da companhia, medida de forma consolidada pelo índice dívida líquida ajustada/EBITDA (incluindo a outorga fixa da BR-135), é baixa e atinge o pico de 3,6 vezes no cenário de rating da Fitch em 2019. Ao considerar a dívida líquida, sem a outorga fixa, a alavancagem pico é de aproximadamente 3,2 vezes em 2019.

A Perspectiva Negativa reflete a incerteza sobre o valor das penalidades que poderão ser aplicadas às controladas da ECS, Concessionária Ecovia Caminho do Mar S.A. (Ecovia) e Rodovia das Cataratas S.A. (Ecocataratas), relacionadas à Operação Integração, e o impacto no fluxo de caixa consolidado.

O rating se baseia no perfil consolidado da ECS, refletindo o forte vínculo entre a holding e suas controladas. Apesar da existência de cláusulas de cross default na primeira emissão de debêntures da Ecovia e Ecosul com a Ecorodovias Infraestrutura e Logística S.A. (EIL) e Primav Construções e Comércio S.A. (Primav), o rating considera que os investidores não exercerão a cláusula de vencimento antecipado relacionada a uma possível falência da EIL ou da Primav, pois não teriam incentivos para exercê-la, à medida que o fluxo de pagamento da dívida fosse honrado de forma oportuna.

Rodovias Bem Localizadas: Risco de Receita - Médio

A ECS detém e controla oito concessões de rodovias operacionais e está concluindo a aquisição da Concessionária de Rodovias Minas Gerais Goiás S.A. (MGO). As rodovias estão estrategicamente localizadas nas regiões Sudeste e Sul do Brasil e o perfil consolidado de tráfego é composto por 54% de veículos leves e 46% de veículos pesados. Considerando a aquisição da MGO, o prazo médio do portfólio é de 15,4 anos. Além disso, as concessões apresentam competição e volatilidade relativamente moderadas. A Fitch também considera as tarifas de pedágio moderadas.

Reajustes de Tarifas Adequados: Risco de Receita/Preço - Médio

Os contratos de concessão contemplam mecanismos de reajuste tarifário anuais. O cálculo do reajuste varia de acordo com cada contrato de concessão e, em alguns casos, o reajuste está atrelado à inflação (IPCA e Índice Geral de Preços do Mercado - IGP-M), enquanto outras concessões têm seus reajustes baseados em uma cesta de itens predominantemente relacionados ao setor de construção. Em algumas concessões, o reajuste tarifário também considera requisitos de desempenho relacionados ao plano de investimentos e manutenção, que, se não forem atendidos, podem reduzir as tarifas. As concessões da ECS têm demonstrado capacidade de reajustar as tarifas periodicamente de acordo com os contratos de concessão. O marco regulatório é robusto e, historicamente, o efeito de episódios relacionados a ações políticas que afetaram os reajustes tarifários tem sido compensado por outros mecanismos, que preservaram o equilíbrio econômico-financeiro dos negócios.

Elevado Plano de Investimentos: Plano de Desenvolvimento e Renovação da Infraestrutura - Médio

O portfólio da ECS contém cinco concessões de rodovias maduras e três concessões de rodovias em fase de expansão. Os planos de investimentos das rodovias maduras estão principalmente relacionados à manutenção, são adequadamente desenvolvidos e há certa flexibilidade para completá-los. As rodovias em expansão possuem elevado plano de investimentos a curto e médio prazos, os quais serão financiados principalmente por emissões de dívida, sendo que a ECO 101 Concessionária de Rodovias S.A. (Eco101) e a Concessionária Ponte Rio-Niterói S.A. (Ecoponte) já contam com financiamento contratado com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Dívida Com Taxas Variáveis: Estrutura da Dívida - Fraca

A ECS tem como estratégia o uso de financiamentos e emissões de dívidas nas subsidiárias operacionais e na própria ECS. A Fitch considera a estrutura da dívida do projeto fraca, principalmente devido à exposição a taxas de juros variáveis e à ausência de proteções estruturais adequadas. Aproximadamente 45% das dívidas da ECS estão atreladas ao CDI, o que gera um descasamento entre receita e dívida. Apesar dos vencimentos bullets gerarem risco de refinanciamento, e de a companhia não possuir linhas de crédito comprometidas ou liquidez suficiente para cobrir o serviço da dívida anual, estes pontos são atenuados pelo forte acesso da companhia ao mercado de crédito e por sua baixa alavancagem. Enquanto as dívidas atuais restringem a alavancagem em 3,75 vezes (Dívida Líquida / EBITDA ajustado), a sétima e oitava emissões incluem uma cláusula de covenant mais fraca. A oitava emissão permite uma alavancagem máxima de 4,75 vezes entre 2022-2023, 4,50 vezes em 2024 e 4,0 vezes nos demais anos, caso haja investimentos na Ecovias, aprovados pelo Poder Concedente, que resultem em extensão de prazo de, pelo menos, 18 meses.

Perfil Financeiro

No cenário de rating, a alavancagem da companhia, medida de forma consolidada pelo índice dívida líquida ajustada/EBITDA, é baixa e atinge o pico de 3,6 vezes em 2019. Ao considerar a dívida líquida, sem a outorga fixa, a alavancagem pico é de 3,2 vezes em 2019. Apesar de algumas incertezas, o grupo demonstrou que seu acesso ao mercado de crédito não foi comprometido por conta das investigações da Operação Integração. O rating não considera um aumento da alavancagem em consequência de novos investimentos na Ecovias, devido à falta de visibilidade quanto à sua possível aprovação.

COMPARAÇÃO COM PARES

Os pares mais próximos da ECS no portfólio da Fitch são a CCR S.A. (CCR - Rating Nacional de Longo Prazo 'AA(bra)'/Perspectiva Estável) e a Arteris S.A. (Arteris - Rating Nacional de Longo Prazo da quinta emissão de debêntures 'AA-(bra)' (AA menos (bra))/Perspectiva Estável). Todas as empresas possuem elevado plano de investimentos para os próximos anos e dependem da geração de caixa das rodovias maduras para honrar suas obrigações. Enquanto a CCR apresenta métricas de alavancagem (dívida líquida/ EBITDA) pico de 2,7 vezes, a Arteris tem um rating mais baixo devido à maior alavancagem, que atinge 4,2 vezes em 2019.

SENSIBILIDADE DOS RATINGS

Desenvolvimentos que podem, individual ou coletivamente, levar a uma ação de rating positiva incluem:

-- Desdobramento das investigações da Operação Integração que resultem em impactos no fluxo de caixa inferiores ao montante equivalente a 25% das receitas líquidas projetadas para 2019.
-- Alavancagem consolidada (dívida líquida/EBITDA) abaixo de 2,75 vezes, de forma recorrente.

Desenvolvimentos que podem, individual ou coletivamente, levar a uma ação de rating negativa incluem:

-- Desdobramento das investigações da Operação Integração que resultem em impactos no fluxo de caixa superiores ao montante equivalente a 25% das receitas líquidas projetadas para 2019.

-- Alavancagem consolidada (dívida líquida/EBITDA) próxima a 3,5 vezes, de forma recorrente.

RESUMO DO PROJETO

A ECS é uma holding que atua no setor de concessões de rodovias. Atualmente, administra em torno de 1,8 mil quilômetros de rodovias pedagiadas. O grupo recentemente ganhou a concessão da Rodovia BR-135 e está em processo de aquisição da MGO no mercado secundário, adicionando mais 800km ao seu portfólio. Considerando essas novas aquisições, o grupo administrará nove rodovias, sendo cinco maduras e quatro em fase de expansão nas regiões Sul e Sudeste do Brasil.

RESUMO DA TRANSAÇÃO

Os recursos da oitava emissão de debêntures da ECS, no montante de BRL900 milhões, serão destinados ao pagamento de dívidas, investimentos e reforço de caixa da emissora. A emissão possui duas séries:

A primeira série, no montante de BRL833,675 milhões, com vencimento em abril de 2024, incidirá juros remuneratórios de CDI + 1,30%. A remuneração dos juros será paga semestralmente e a amortização do principal ocorrerá em uma única parcela.

Com um montante de BRL66,325 milhões, a terceira série tem vencimento em abril de 2026 e será atualizada monetariamente pela variação acumulada do IPCA, e juros remuneratórios de 5,5031%. A remuneração dos juros será paga anualmente e a amortização do principal ocorrerá em duas parcelas (50% em abril de 2025 e 50% em abril de 2026).

CENÁRIOS DA FITCH

As premissas dos cenários base e de rating da Fitch refletem as projeções macroeconômicas para o Produto Interno Bruto (PIB), inflação e juros, atualizadas conforme o relatório Brazil - March 2019 Global Economic Outlook Forecast, publicado em 25 de março de 2019.

As principais premissas utilizadas pela Fitch em seu cenário-base incluem:

-- Crescimento no tráfego de 1,3 vez o PIB, a partir de 2019;
-- Despesas operacionais de BRL6,3 bilhões entre 2019-2026;
-- Investimentos de BRL6,7 bilhões entre 2019-2026;
-- Emissão de novas dívidas, no montante de BRL6,9 bilhões, e amortização de vencimentos no montante de BRL14,1 bilhões entre 2019-2026.

As principais premissas utilizadas pela Fitch em seu cenário de rating incluem:

-- Crescimento no tráfego de 1,1 vez, a partir de 2019;
-- Despesas operacionais de BRL6,5 bilhões entre 2019-2026;
-- Investimentos de 6,7 bilhões entre 2019-2026;
-- Emissão de novas dívidas, no montante de BRL7,4 bilhões, e amortização de vencimentos no montante de BRL14,1 bilhões entre 2019-2026.

No cenário-base da Fitch, a alavancagem máxima consolidada, medida por dívida líquida ajustada/EBITDA, é de 3,5 vezes em 2019, e por dívida líquida /EBITDA, de 3,1 vezes. Já no cenário de rating, a alavancagem máxima consolidada, medida por dívida líquida ajustada/EBITDA, é de 3,6 vezes em 2019, e por dívida líquida /EBITDA, de 3,2 vezes.


Imprimir o conteúdo Visualizar impressão Fonte: Fitch Ratings
17/09/2019
Sanesalto Saneamento comunica pagamento de juros e amortização às debêntures da 2ª emissão B3 – Elaborado por ANBIMA
COPEL comunica pagamento de juros às debêntures da 5ª emissão B3 – Elaborado por ANBIMA
16/09/2019
COMGÁS comunica pagamento de juros e principal às debêntures da 3ª emissão B3 – Elaborado por ANBIMA
COELCE comunica pagamento de juros da 1ª série da 7ª emissão de debêntures B3 – Elaborado por ANBIMA
Fitch Atribui Rating ‘AAA(bra)’ à Proposta de 13ª Emissão de Debêntures da Rumo Fitch Ratings
Triângulo do Sol Auto-Estradas S.A. comunica pagamento de juros e amortização às debêntures da 5ª emissão B3 – Elaborado por ANBIMA
Algar Telecom comunica detentores da 1ª e 2ª séries da 7ª emissão sobre pagamento de juros B3 – Elaborado por ANBIMA
Algar Telecom comunica detentores da 2ª série da 2ª emissão sobre pagamento de juros e amortização B3 – Elaborado por ANBIMA
Algar Telecom comunica detentores da 1ª série da 1ª emissão sobre pagamento de juros B3 – Elaborado por ANBIMA
EDP comunica pagamento de juros e principal aos debenturistas da 4ª emissão B3 – Elaborado por ANBIMA
TAESA comunica pagamento de juros aos debenturistas da 4ª emissão B3 – Elaborado por ANBIMA
AES Tietê Energia comunica pagamento de juros aos debenturistas da 1ª e 2ª série da 9ª emissão B3 – Elaborado por ANBIMA
AMPLA ENERGIA E SERVIÇOS comunica que efetuou pagamento de juros das debêntures da 10ª emissão B3 – Elaborado por ANBIMA
Cemar comunica pagamento de juros da 8ª emissão de debêntures B3 – Elaborado por ANBIMA
11/09/2019
A COMGÁS comunica pagamento da 1ª série da 3ª emissão de Debêntures B3 - Elaborado por ANBIMA
10/09/2019
A Rodovias das Colinas comunica pagamento da 6ª Emissão de Debêntures B3 - Elaborado por ANBIMA
Fitch Afirma Rating 'AA(bra)' da 2ª Emissão de Debêntures da TSBE; Perspectiva Estável Fitch Ratings
06/09/2019
Fitch Afirma Rating 'AA+(bra)' da 2ª Emissão de Debêntures da TP Norte; Perspectiva Estável Fitch Ratings
Fitch Atribui Rating 'AAA(bra)' à 1ª Emissão de Debêntures da UHE Tibagi Fitch Ratings
05/09/2019
A Rodovias das Colinas comunica o resgate total da 6ª Emissão de Debêntures B3 - Elaborado por ANBIMA
03/09/2019
Fitch Eleva Rating da 2ª Emissão de Debêntures da MSG Para 'AA(bra)'; Perspectiva Estável Fitch Ratings
02/09/2019
A Paranapanema comunica encerramento do prazo de conversão das debêntures da 1ª série da 7ª Emissão B3 - Elaborado por ANBIMA
Fitch Afirma Rating 'AA(bra)' da 4ª Emissão de Debêntures de São Manoel; Perspectiva Estável Fitch Ratings
30/08/2019
Fitch Afirma Rating 'AAA(bra)' da 1ª Emissão de Debêntures da Companhia Energética Miranda Fitch Ratings
Fitch Afirma Rating 'AAA(bra)' da 1ª Emissão de Debêntures da Companhia Energética Jaguara Fitch Ratings
A BR Properties comunica pagamento da 10ª Emissão de Debêntures B3 - Elaborado por ANBIMA
28/08/2019
Cosan S.A. comunica debenturistas da 2ª emissão sobre pagamento de juros B3
Fitch Mantém Rating 'AA+(bra)' da 1ª Emissão de Debêntures da Extremoz em Observação Negativa Fitch Ratings
26/08/2019
Fitch Afirma Rating 'A-(bra)' da Restoque; Perspectiva Revisada Para Negativa Fitch Ratings
21/08/2019
Fitch Atribui Rating 'AAA(exp)(bra)' à Proposta de 1ª Emissão de Debêntures da UHE Tibagi Fitch Ratings
Fitch Atribui Rating 'A-(bra)' à Proposta de 6ª Emissão de Debêntures da Saneago Fitch Ratings

« Notícias Anteriores | Próximas Notícias »

Ao obter informações através deste site você declara conhecer e aceitar os termos de exoneração de responsabilidades e de direitos autorais da ANBIMA.